Boletim informativo global #82

Sem Pipelines, Sem Prisões, Sem Genocídios.

Friday, November 10, 2023 by Extinction Rebellion

Appalachians Against Pipelines (AAP) ocupam o oleoduto de Mountain Valley, que, quando estiver concluído, canalizará gás para uma fábrica da BAE Systems que fornece armas a Israel.

Nesta edição: Fora com o dinheiro oleoso! | Atlanticazo Argentina | Bloqueio da A69 | Palestina

Cara rebelde,

Há cinco anos atrás, mais de 1000 pessoas reuniram-se em frente ao Parlamento Britânico em Londres para uma declaração de rebelião. Foi a primeira acção pública da Extinction Rebellion, e a declaração terminava com a frase: "Agimos em paz, com um amor feroz por estas terras nos nossos corações. Agimos em nome da vida."

A rejeição da violência e o amor por toda a vida têm sido parte integrante do nosso movimento desde o seu início. É por isso que não podemos ser espectadores do massacre em massa de pessoas inocentes que vivem em Gaza, um massacre agora tão sustentado e indiscriminado que os principais funcionários da ONU estão a chamar-lhe um caso claro de genocídio.

O Governo israelita afirma que está a agir em legítima defesa depois de os militantes do Hamas terem eles próprios cometido um massacre de inocentes. Mas um massacre de civis não pode justificar um massacre ainda maior de civis. E essa reação só irá alimentar mais extremismo e conflito.

Os rebeldes reúnem-se para a primeira acção da XR em Londres, a 31 de Outubro de 2018.

Em vez disso, assemelha-se à mentalidade brutal das antigas potências coloniais. Também elas sujeitaram os seus súbditos indígenas rebeldes a desumanização, desapropriação e destruição, à medida que rapidamente extraíam recursos das suas terras e semeavam a catástrofe climática que agora tentamos desesperadamente evitar.

Hoje, essas velhas potências coloniais, tão instrumentais na criação e manutenção deste longo e sangrento conflito no Médio Oriente, optaram por apoiar o massacre, ou mesmo exacerbá-lo, enquanto criminalizam aqueles que protestam pacificamente contra ele.

É por todas estas razões e mais que o nosso movimento deve unir-se para apelar a um cessar-fogo e pressionar os nossos governos a procurar uma solução diplomática que garanta a paz, a dignidade e a justiça para todos os que vivem nestas terras, independentemente da sua raça ou religião.

Um manifestante é preso pouco depois de ter conseguido entrar nos 'Óscares do Petróleo', em Londres.

A história da Palestina e de Israel e as ligações entre este conflito e a justiça climática são exploradas mais aprofundadamente no Leituras Obrigatórias deste mês. Falamos também com um rebelde com raízes palestinianas em Humanos da XR.

Em Ações em Destaque relatamos o bloqueio dos "Óscares do Petróleo" em Londres, a forma como a polícia francesa usou tanto gás pimenta durante um protesto numa autoestrada que incendiou um terreno, e uma onda de ações contra a exploração sísmica ao largo da costa argentina.

Finalmente, no Canto da Solidariedade, apresentamos Defend Our Juries, um grupo que resiste às novas e ultrajantes restrições impostas pelos juízes britânicos aos julgamentos de ecoactivistas, incluindo a proibição de qualquer menção às "alterações climáticas" em tribunal, para que os jurados os considerem culpados.


Este boletim informativo está disponível em vários idiomas. Usa o ícone do globo (canto superior direito) para alterar o idioma.

Assina este boletim informativo

Este boletim informativo é-te enviado pela XR Global Support, uma rede mundial de rebeldes que ajudam o nosso movimento a crescer. Precisamos do teu contributo monetário para continuar este trabalho crucial.

Contribui com o que te for possível


Conteúdo

  • Destaques da ação: Dinheiro Oleoso fora do Reino Unido, Atlanticazo Argentina, Bloqueio da autoestrada A69 França
  • Síntese de acções: Uganda, RDC, Panamá, Bangladesh, Marrocos, Tanzânia, Finlândia, EUA, África do Sul, Países Baixos, Itália, Bolívia, Alemanha
  • Humanos da XR: Shireen, UK
  • Leitura obrigatória: Palestina e Israel
  • Canto da Solidariedade: Defender Os Nossos Jurados
  • Anúncios: Regen 101, Climate Café

Acções em Destaque

Dinheiro Oleoso Fora!

17 - 19 OUTUBRO | Londres, Reino Unido

Uma aliança de manifestantes, incluindo rebeldes, reúne-se em frente aos "Óscares do Petróleo".

Os ativistas chegaram de manhã cedo, em pequenos grupos. À medida que se aproximavam do imponente hotel, um símbolo de luxo a poucos passos do Palácio de Buckingham, alguns interrogavam-se se o seu plano seria demasiado ambicioso.

Mas puseram-se a trabalhar de qualquer maneira, bloqueando cada uma das entradas do hotel. Era aqui que se realizava o Energy Intelligence Forum, anteriormente conhecido como a Oil & Money Conference, e informalmente conhecido como os Óscares do Petróleo: uma cimeira de três dias para os diretores executivos das grandes empresas petrolíferas se encontrarem com políticos e distribuírem prémios.

Os delegados, frustrados, circulavam em torno do edifício, procurando uma forma de entrar, irritados com os cânticos dos bloqueadores. No total eram cerca de 400 manifestantes, provenientes de uma aliança de grupos reunidos pela Fossil Free London. Vieram de todo o Reino Unido, de toda a Europa e até de países tão distantes como o Uganda e o México.

Um ativista ugandês da Stop EACOP fala à porta do Standard Bank.

No final, os delegados desistiram e o diretor-geral da Shell teve de fazer o seu discurso introdutório através do Zoom. Após uma série de ameaças, a polícia acabou por prender 27 manifestantes, incluindo um certo ícone sueco. Todos, exceto um, foram acusados.

Cerca de 70 regressaram no dia seguinte para um protesto ruidoso, com o objetivo de interromper um discurso do CEO da Equinor, a empresa norueguesa que vai perfurar o recém-aprovado campo petrolífero de Rosebank no Reino Unido. A polícia montou barreiras para garantir o acesso, mas isso obrigou os delegados a caminhar ao lado dos manifestantes encurralados, que lhes deram uma longa e ruidosa receção, mais tarde reforçada por um grupo de tocadores de tambor dos XR.

Os restantes juntaram-se à Money Rebellion, à Coal Action Network e a uma banda de samba para uma digressão pelo distrito financeiro de Londres, que começou com uma manifestação diante do Standard Bank por causa do seu financiamento do EACOP, um oleoduto ecocida que atravessará a África Oriental. A digressão terminou com a ocupação de três edifícios que albergam um total de dez companhias de seguros.

Os rebeldes ocupam um arranha-céus que alberga 8 companhias de seguros ligadas aos combustíveis fósseis.

Os rebeldes entoaram cânticos e agitaram cartazes nos saguões, exigindo que as empresas excluíssem a possibilidade de segurar tanto a EACOP como a mina de carvão de West Cumbria, recentemente aprovada. Um grupo rebelde até fez um piquenique. A polícia não interferiu e, após cinco horas, os manifestantes terminaram as suas ocupações.

No último dia da conferência, sessenta profissionais de saúde juntaram-se à ação, organizando um "die-in" e um "inquérito sobre o clima" na estrada, à porta do hotel, e condenando os delegados que se encontravam no interior da conferência pela sua cumplicidade num desastre humanitário. Entretanto, a Fossil Free London marchou até às sedes do Barclays e do J.P. Morgan, bancos conhecidos pelo seu financiamento grotesco e colossal dos combustíveis fósseis em todo o mundo.

A campanha mostrou como a crise climática está a ser exacerbada por uma rede de bancos, seguradoras e grandes empresas petrolíferas, e também promoveu um sentimento de união entre vários grupos ecológicos. Os julgamentos dos detidos terão início na próxima semana.

Seguir a Fossil Free London no Instagram.


O Atlanticazo Volta a Erguer-se!

4 OCT | Argentina

Os rebeldes fazem "sons de petroleiro" em frente à Câmara Municipal de Mar Del Plata.

Imagina que és um pepino-do-mar, um coral ou qualquer outra espécie da fauna marinha. Quer estejas a nadar, a agarrar-te a uma rocha ou a arrastar-te pelo fundo do oceano, a última coisa que queres é uma bomba de ar comprimido a explodir de seis em seis segundos.

É o que acontece com a exploração sísmica. As explosões são utilizadas para mapear as formações rochosas sob o fundo do oceano, a fim de encontrar os melhores locais para a extração de petróleo. Um navio partiu recentemente do Gana em direção à costa da Argentina para começar a explorar sismicamente o Oceano Atlântico Sul a pedido de uma trindade profana de empresas petrolíferas: Equinor, Shell e YPF, da qual o Estado argentino detém uma parte. Em janeiro será também perfurado um poço de exploração em águas profundas.

Desencadeou outro "Atlanticazo", uma onda de protesto de uma aliança de ativistas contra a exploração do oceano pelas companhias petrolíferas. As ações incluíram a perturbação de escritórios da YPF, a invasão de uma conferência sobre combustíveis fósseis e uma atuação especial no exterior de um edifício municipal utilizando instrumentos de mangueira feitos à mão para reproduzir os sons dos petroleiros. A solidariedade internacional foi demonstrada por rebeldes no Equador, México, Noruega e Holanda, entre outros.

Um comício do Atlanticazo em Misiones, Argentina (em cima à esquerda) e ações de solidariedade no Equador, Colômbia e Países Baixos (no sentido dos ponteiros do relógio).

O governo argentino tentou pela primeira vez aprovar a exploração de petróleo offshore em dezembro de 2021, mas provocou os maiores protestos que a cidade costeira de Mar del Plata alguma vez tinha visto. O movimento espalhou-se ao longo da costa e por todo o mundo, apelidado de Atlanticazo em homenagem ao "Chubutazo", uma campanha épica em que a população da província de Chubut resistiu com sucesso a um mega-projeto de mineração.

O governo argumenta que as plataformas petrolíferas offshore trarão a tão necessária moeda estrangeira para pagar as enormes dívidas internacionais do país, mas os manifestantes argumentam que foi o extrativismo empresarial que começou por empobrecer o país e que continuar só vai piorar a situação.


Polícia Incendeia Campo Durante Bloqueio de Autoestrada

21 - 22 Out | Toulouse, França

Um manifestante ajoelha-se em rendição perante a polícia de choque, durante um protesto na autoestrada.

Mais de 10.000 pessoas de toda a França protestaram contra uma nova autoestrada desnecessária e destrutiva para o ambiente. Já estão em curso os trabalhos preparatórios da A69, que pretende ligar Toulouse à pacata cidade de Castres, a 70 km de distância, apesar de já existir uma estrada nacional que liga as duas localidades.

Um grupo chamado 'La voie est libre' ("O caminho está livre"), formado em 2022 para tentar parar a construção e salvar cerca de 200 árvores (algumas com centenas de anos), reservas de vida selvagem, casas que abrigaram famílias durante gerações e uma área de terreno do tamanho de 500 campos de futebol, grande parte dele suficientemente fértil para cultivar alimentos.

A XR Toulouse juntou-se à "La voie est libre" há um ano, para partilhar táticas de desobediência civil e apoiar a sua luta. Depois de várias pequenas ações, organizaram em abril um protesto conjunto com 8000 pessoas contra a A69. Esta última resistência, após três meses de planeamento, teve uma participação ainda maior.

Milhares de pessoas juntam-se à marcha anti-A69 no sudoeste rural de França.

Milhares de pessoas, jovens e idosos, urbanos e rurais, juntaram-se para marchar, andar de bicicleta e conduzir tratores ao longo do percurso existente, passando por campos agrícolas abertos e aldeias tranquilas, antes de se reunirem num campo onde os organizadores ofereceram comida, tendas, entretenimento para crianças e muito mais. Alguns manifestantes construíram uma barricada atravessando o percurso da marcha.

No dia seguinte, um grupo de ativistas tentou instalar uma ZAD (Zona a Defender) numa casa vazia de um dos estaleiros de construção, mas foi forçado a sair pela polícia de choque, que brandia bastões e disparava gás lacrimogéneo. A violência alastrou para um campo vizinho, onde os manifestantes, alguns com crianças, estavam acampados (com autorização) e aguardavam ansiosamente uma palestra de cientistas do clima de renome. A polícia lançou tanto gás lacrimogéneo que o terreno, ressequido após a vaga de calor do verão europeu, pegou fogo.

A polícia carrega contra os manifestantes e lança enormes quantidades de gás lacrimogénio.

A A69 foi proposta pela primeira vez há trinta anos por uma empresa farmacêutica e de cosméticos, e os seus incansáveis lobbies acabaram por convencer o governo francês a avançar com o projeto em 2006. O custo de acesso à estrada é de 20 euros para os automobilistas, o que a torna incomportável para a maioria dos habitantes da região, que têm baixos rendimentos.

Pelo menos nove pessoas foram detidas e estão a aguardar julgamento, e muitas foram feridas pela polícia. Entretanto, o Ministro do Interior francês está a aplicar leis cada vez mais repressivas contra os ativistas do clima e os protestos em geral, como se pode ver na sua recente tentativa de proibir os protestos pró-palestinianos em todo o país.

A aliança de ativistas envolvidos no bloqueio está a tirar algum tempo para recuperar e planear os próximos passos. Há uma visão de transformar a A69 numa autoestrada para bicicletas, com projetos regenerativos ao longo do percurso, como um centro para ensinar as pessoas sobre construção ecológica. Apesar da intensificação da violência estatal e policial, estes cidadãos estão determinados a não desistir.

Segue o XR Toulouse no Instagram e no Twitter.


Resumo de Acções

6 DE OUTUBRO | Kampala, Uganda: Activistas do Movimento pela Justiça do Uganda são atingidos por gás pimenta pela polícia durante um protesto pacífico contra a EACOP em frente à sede da TotalEnergies. Três semanas mais tarde, dois manifestantes pacíficos Stop EACOP foram detidos e presos durante a noite. Um funcionário da ONU afirmou que a repressão dos protestos pacíficos no Uganda é "muito preocupante".

11 OUT | Isangi, RDC: Nasce mais um novo grupo rebelde graças à campanha "Petrole Non Merci" da Universidade XR Goma. A cidade de Isangi está localizada numa região conhecida pelas suas abundantes turfeiras, terra que foi reservada para desenvolvimento petrolífero pelo governo congolês. A população local formou a XR Isangi para proteger as suas terras da extração e destruição pelas companhias petrolíferas internacionais.

12 OUT | Mundialmente: Milhares de pessoas em todo o mundo, incluindo rebeldes e ativistas da iniciativa "Debt 4 Climate", ergueram-se para exigir a anulação da dívida que afeta o Sul Global. O dia global de ação, que coincidiu com uma reunião entre o Banco Mundial e o FMI em Marraquexe, Marrocos, assistiu a mobilizações em toda a Europa, América do Sul, Ásia e África. Houve também uma contra-cimeira em Marraquexe, na qual participou uma coligação de ativistas. As dívidas do Sul Global são minúsculas quando comparadas com os estimados 7,9 biliões de dólares em reparações climáticas devidas à região pelo Norte Global. Fotografias (no sentido dos ponteiros do relógio a partir do canto superior esquerdo): Panamá, Bangladesh, Marrocos, Tanzânia.

9 - 15 OUT | Helsínquia, Finlândia: Os XR Elokapina lançam a sua rebelião florestal, uma semana de marchas lentas para chamar a atenção para as políticas ambientais exploradoras e ecocidas do seu governo. Uma das principais reivindicações é parar o abate de uma floresta com 400 anos, próxima da capital do país.

16 OUT | Appalachia, EUA: Dezenas de ativistas da AAP, incluindo indígenas americanos, ocupam dois estaleiros de construção do oleoduto Mountain Valley Pipeline (MVP). Faixas e braçadeiras destacam a ligação entre o gasoduto e o genocídio em Gaza. O MVP vai canalizar gás para uma fábrica da BAE Systems que fornece fósforo branco e outras armas a Israel. As obras foram interrompidas durante o dia e cinco ativistas detidos passaram a noite na prisão.

17 OUT | Cidade do Cabo, África do Sul: Aos rebeldes juntaram-se autocarros cheios de manifestantes pró-petróleo/gás no dia de abertura da Semana Africana da Energia, uma conferência centrada na expansão dos combustíveis fósseis e no “greewashing”, em vez de nas energias renováveis limpas e baratas. Descobriu-se que os manifestantes pró-petróleo/gás tinham sido pagos para aparecer e, quando souberam do verdadeiro impacto dos combustíveis fósseis, muitos pediram desculpa por estarem "do lado errado" e pediram para se juntar ao protesto dos rebeldes.

23 OUT | Haia, Países Baixos: Rebeldes do grupo de ação "Justiça Já!" manifestam-se diante do Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, em solidariedade com o povo palestiniano e em condenação dos crimes de guerra cometidos pelo Estado israelita.

23 OUT | Roma, Itália: 100 rebeldes vestidos de Pinóquio bloquearam o Ministério das Infra-estruturas e dos Transportes. Alguns acorrentaram-se à entrada, outros prenderam-se uns aos outros, outros escalaram postes em frente ao edifício - tudo para denunciar o negacionismo climático do seu governo. 40 rebeldes foram arrastados para uma esquadra de polícia próxima e detidos durante mais de oito horas. 5 foram expulsos de Roma por um período que pode ir até dois anos.

25 - 26 OUT | Washington DC, EUA: Rebeldes e eco-activistas de todos os EUA reuniram-se à porta de um hotel de luxo para confrontar executivos da indústria e funcionários governamentais que participavam no Fórum Norte-Americano do Gás. Bloquearam o carro de um alto funcionário que tentava sair da conferência, foram afastados pela polícia e voltaram a bloqueá-lo quando este chegou a uma rua próxima. No dia seguinte, os rebeldes encerraram a construção de um gasoduto de 4,5 mil milhões de dólares na capital.

26 OUT | La Paz & Santa Cruz, Bolívia: Rebeldes reúnem-se em frente a ministérios do governo exigindo medidas contra a onda de incêndios florestais que assola o país. Eles querem sanções contra os responsáveis, mudanças na legislação e a declaração de emergência. A XR Bolivia promete mais ações se estas exigências não forem satisfeitas.

28 OUT | Berlim, Alemanha: Apesar de a XR Alemanha ter cancelado a ação dias antes devido à "situação política global tensa", mil manifestantes, incluindo rebeldes, ativistas da Scientist Rebellion e da Last Generation, bem como uma delegação da XR Holanda, bloquearam ainda assim uma rua principal para parar os subsídios aos combustíveis fósseis. A ação foi inspirada pelo sucesso de uma campanha semelhante nos Países Baixos. Alguns ativistas colaram-se ao asfalto. A polícia utilizou pegas para os arrastar.

28 OUT | Melbourne, Sydney, Perth, Austrália: Rebeldes e activistas do Disrupt Burrup Hub manifestaram-se à porta de vários estúdios da ABC, depois de a emissora ter concordado em passar à polícia imagens confidenciais dos ecoativistas. Uma equipa da ABC estava integrada na organização Disrupt Burrup Hub enquanto esta planeava um protesto contra um enorme projeto de gás em terras sagradas dos aborígenes. A ação foi apelidada de "uma arrepiante quebra de confiança".


Humanos da XR

Shireen, Reino Unido

O meu nome é Shireen. Sou de origem palestiniana/libanesa/síria, nasci e cresci nos Estados Unidos e vivo agora em Londres. Tenho sido uma ativista durante toda a minha vida - desde muito nova que sempre soube que era preciso falar contra a opressão, porque os riscos de não o fazer são demasiado elevados.

Tendo crescido na diáspora, compreendi rapidamente a nossa perda de casa e de país. Falava-se disso constantemente. Protestámos, demos dinheiro a instituições de caridade e boicotámos. Vi os meus pais e a minha família a manifestarem-se, por isso manifestei-me também. As influências Quaker na minha vida, do lado da família da minha mãe e da minha escolaridade, também me influenciaram.

Ao crescer como jovem árabe-americana nos anos 80 e 90, os meios de comunicação social eram tão implacavelmente tendenciosos e imprecisos em relação a tudo o que dizia respeito aos palestinianos que parecia que estávamos constantemente a ser atacados. Nessa altura, a sociedade era frequentemente ignorante e racista em relação aos árabes. Sentia-me sufocada se não me manifestasse. Encontrei saídas nos protestos, sentindo-me literalmente presente ao dizer "não apoio isto", e sendo capaz de afirmar a nossa história num ambiente que a excluía deliberadamente.

Escrevi trabalhos na escola e na faculdade sobre a realidade palestiniana sob a ocupação israelita e tornei-me ativa na Students for a Free Palestine (uma antecessora da SJP). Realizámos palestras, die-ins, reproduzimos postos de controlo - trabalhámos arduamente para inserir as perspetivas palestinianas num ambiente que era muito hostil. Depois da universidade, comecei a trabalhar na área da saúde pública, centrando-me nos direitos humanos das comunidades marginalizadas da região SWANA, incluindo os palestinianos.

Sempre soube que o planeta estava em apuros, mas nunca tinha percebido a ligação até que o meu marido me obrigou a tirar a cabeça da areia. Eu tirei, e entrei em pânico. Depois envolvi-me. Tal como o meu ativismo em torno da Palestina, ser ativa contra a Emergência Ecológica e Climática (EEC) ajuda a minha saúde mental. Não podia ficar à margem, a deixar o mal acontecer, sem fazer nada.

À medida que fui aprendendo mais sobre a crise climática, descobri que se trata também de uma questão de justiça com ligações ao colonialismo. Estas não são as manchetes quando se trata da CEE, mas são os ossos desta calamidade. Foi preciso muito tempo e muita aprendizagem para estabelecer estas ligações, mas não há futuro sem justiça climática através de uma lente anti-colonial.

Neste momento, estou a tentar gerir a minha reação visceral aos ataques genocidas do Estado israelita contra os palestinianos em Gaza. Tem sido paralisante e galvanizante ao mesmo tempo. A maior parte da minha energia está a ser canalizada para divulgar as vozes de Gaza e ajudar os meus amigos a ter uma perspetiva mais ampla do que está a acontecer. E, claro, participar em marchas.

Nos momentos livres do meu espaço mental, estou muito envolvida no blogue XR Global. Publicamos artigos para ajudar a partilhar a visão do XR sobre tópicos relacionados com o clima, tentando sempre colocar na plataforma vozes do Sul Global. Também estou ativa com XR Wordsmiths, onde acabámos de terminar um belo projeto Solarpunk writing, e faço parte do XR Lewisham.

Sou motivado pela visão de um mundo melhor para os meus filhos e para todas as crianças da Terra. Devemos-lhes isso. Apoiamo-nos nos ombros de gigantes, de Harriet Tubman a Edward Said, e temos de manter vivo o seu legado de coragem espantosa e clareza moral. Os impérios caem, o mundo está em constante mudança, e isso também me motiva.

O que adoro no ativismo é a ligação a outras pessoas e estar rodeada de amor. O ativismo vem de um lugar de amor e isso sente-se. Adoro ver as pessoas mudarem, a nível pessoal - quer se trate das suas ações ou da sua perspetiva política, ver o impacto que se pode ter é animador.

O desafio é que a mudança não acontece com a rapidez suficiente e há tantas batalhas a travar que pode parecer cansativo e esmagador. Equilibrar o ativismo e estar presente para a minha família da forma que quero pode ser difícil.

Há um conceito que é central na luta palestiniana: "sumoud", firmeza. Olho para a nossa história de resistência e sinto-me muito inspirada por esta luta infatigável que os palestinianos têm dentro de si. Fomos ocupados, despojados, cercados, deportados, passámos fome, ficámos sem casa, fomos culpados, torturados, expulsos, bloqueados, difamados, presos, bombardeados, estamos atualmente a ser mortos com intenções genocidas e, ainda assim, os palestinianos respondem: "Não deixaremos a nossa terra".

Este tipo de coragem é um apelo à ação para todos. O que está em jogo é demasiado elevado para não se fazer nada, em relação à Palestina e à preservação do nosso planeta. Se há uma mensagem que eu gostaria de partilhar com a comunidade global XR, é esta: "sumoud" - continua.

Se conheces (ou és) um rebelde em algum lugar do mundo com uma história para contar, entra em contacto em xr-newsletter@protonmail.com


Leituras obrigatórias

A XR Peace prepara faixas para o Big One em Londres, Reino Unido, em abril deste ano.

As Leituras Obrigatórias deste mês são dedicadas ao conflito entre a Palestina e Israel: a sua história, a sua realidade atual e a forma como se relaciona com a nossa própria luta pela justiça climática e pela preservação de toda a vida.

Artigo: De que se trata no conflito israelo-palestiniano?
Este guia simples da Al Jazeera explica um dos conflitos mais duradouros do mundo, desvendando momentos-chave como a Declaração de Balfour, a revolta árabe, o plano de partilha da ONU, a Nakba ("Catástrofe"), a Guerra dos Seis Dias, os Acordos de Oslo após a primeira Intifada ("Revolta") e o bloqueio de Gaza após a segunda.

Vídeo: Ta-Nehisi Coates on Palestine (27 mins)\ O escritor e jornalista Ta-Nehisi Coates fala ao Democracy Now sobre a sua recente viagem à região, o seu choque com a afinidade com a América segregacionista a que Martin Luther King Jr. resistiu, e o seu empenho na oposição não violenta ao regime de apartheid de Israel.

Artigo: Toda a gente quer o gás de Gaza
As reservas de petróleo e gás ao largo da costa mediterrânica valem 500 mil milhões de dólares. Mas de acordo com a ONU, Israel não tem direito legal exclusivo a elas. Uma parte está na Palestina e a maior parte do resto está para além das fronteiras nacionais, o que significa que tem de ser partilhada por ambas as partes. A invasão de Gaza por Israel em 2008 colocou ilegalmente os campos de gás palestinianos sob controlo exclusivo de Israel. A ONU estima em milhares de milhões de dólares o prejuízo para o povo palestiniano.

Artigo: A economia política do apartheid israelita e o espetro do genocídio
Escrita em 2014, esta análise relaciona as visões cada vez mais genocidas do Estado israelita em relação aos palestinianos com as mudanças na economia de Israel, nomeadamente a expansão do sector militar-securitário de alta tecnologia que precisa de conflitos de teste, e a mão de obra barata do Sul Global que torna os trabalhadores palestinianos cada vez mais excedentários em relação à procura. O autor receava que o genocídio pudesse estar à espreita. Provou-se que foi terrivelmente presciente.

Artigo: O 'deserto' já estava a florescer
Uma exploração das ligações entre o colonialismo e o colapso climático vivido pelos palestinianos, e como a justiça climática significa liberdade para todos. Inclui infografias de Visualising Palestine.

Artigo: O apartheid ambiental de Israel na Palestina
Uma panorâmica da forma como Israel tem explorado o ambiente na Palestina/Israel, despojado os palestinianos dos seus recursos naturais, deixando-os com a poluição resultante dessa exploração, e branqueado a natureza ecocida das suas ações.


Cantinho da Solidariedade: Defender os Nossos Jurados

Um médico defende literalmente a lei no Inner London Crown Court.

No Reino Unido, os jurados têm o direito absoluto de absolver um arguido de acordo com a sua consciência. Mas parece que este direito, que existe desde o século XVII, é agora visto como uma ameaça para o establishment britânico, na sequência de uma série de absolvições pelos jurados em que ativistas foram ilibados apesar de não terem "qualquer defesa na lei".

Em resposta, os juízes começaram a limitar o que os arguidos podem dizer perante o júri, enviando pessoas para a prisão por dizerem "alterações climáticas" ou "pobreza de combustível" quando declaram as suas motivações. Como disse um ex-advogado do governo, "o que significa o direito a um julgamento justo se não se pode falar e explicar porque é que se fez o que se fez?"

Em março, uma assistente social reformada ergueu um cartaz à porta do tribunal, afirmando o direito dos jurados a decidirem com base na sua consciência, e foi prontamente detida. Ironicamente, foi enviada para o Old Bailey, um tribunal criminal em Londres, onde uma placa com a mesma mensagem está orgulhosamente exposta.

As pessoas sentam-se no exterior do Old Bailey, com a mesma mensagem que uma placa no interior.

O choque desta detenção repercutiu-se para além das habituais câmaras de eco dos ativistas, com pessoas de todos os quadrantes a protestarem contra a crescente corrupção do sistema judicial penal. Os protestos com cartazes proliferaram e 40 pessoas, incluindo um padre e um atleta olímpico, escreveram ao governo para exigir que "os processasse também".

Pouco depois, nasceu a Defend our Juries, uma campanha dedicada à proteção dos direitos dos jurados e arguidos contra as crescentes tentativas do Governo para os minar. Em setembro, a campanha realizou o seu primeiro dia nacional, com 252 pessoas reunidas em 25 tribunais da coroa em todo o país.

Um porta-voz descreveu o movimento como altamente interseccional, com a Extinction Rebellion, a Palestine Action, os Quakers, a Insulate Britain e os activistas da Just Stop Oil sentados ao lado de antigos polícias e advogados.

É para estes últimos que esta questão é mais profunda, continuou o porta-voz; julgamentos justos por jurados são o que impede o abuso de poder por parte dos tribunais, da polícia e, em última análise, do governo. Isto afeta todo o país.

Defend our Juries vai organizar um Dia Nacional de Ação a 4 de dezembro. Inscreva-se aqui.


Anúncios

GS Regen: Regen 101 Workshop

31 OUT | 23:00 UTC | Online

A GS Regen está a organizar todos os meses workshops Regen 101 gratuitos para os rebeldes participarem. O workshop é uma bela introdução às Culturas Regenerativas para aqueles que são novos no XR, e uma experiência essencial para aqueles que já estão envolvidos.

O Regen 101 é um workshop experiencial, prático e educacional que explica as Emoções da Terra, o Autocuidado, o Burnout e o Debriefing Emocional, deixando o grupo com uma compreensão do Ativismo Regenerativo incorporado.

Fazemos grandes esforços para centrar o workshop Regen101 nos sistemas de cuidados, na escuta profunda, na descolonização, na inclusão e no acolhimento respeitoso de novas perspetivas.

O primeiro workshop Regen 101 realizou-se em agosto de 2019, em Sydney, e o Regen 101 Booklet foi desenvolvido durante os últimos Black Summer Fires. É uma carta de amor para os três mil milhões de animais que já perdemos.

Registe-se para o Workshop Regen 101 na terça-feira, 5 de dezembro, às 23:00 UTC. Os workshops para 2024 serão anunciados em XR Global Support Events.

Se pretender organizar um workshop Regen 101 na sua organização, contacte regen@organise.earth


GS Regen: Café Climático

25 de outubro | 07:00 - 08:30 UTC | Online

A GS Regen está a organizar Cafés Climáticos gratuitos para os rebeldes participarem todos os meses. Um Café Climático é um espaço informal, aberto, respeitoso e confidencial para partilhar em segurança pensamentos, sentimentos e respostas emocionais à emergência climática e ecológica.

Junte-se às facilitadoras Christie, Cerrie e Sam para uma experiência tranquila, reflexiva e de apoio, que não pretende levar os participantes a qualquer conclusão ou ação específica.

Registe-se para o Café Climático na quarta-feira, 29 de novembro de 2023, das 7:00 às 8:30 UTC

Para mais eventos e formações a nível mundial, visite XR Global Support Events.


Obrigada

16 OUT | Dimitrovgrad, Bulgária: Activistas do Greenpeace da Bulgária, Áustria, Croácia, Chéquia, Grécia, Hungria, Polónia e Roménia juntam-se para pintar "CRIME" na torre de arrefecimento de uma central elétrica a carvão poluidora.

Obrigada pela leitura, rebelde. Se tiveres alguma questão ou comentário, queremos ouvi-te. Entra em contacto connosco em xr-newsletter@protonmail.com.


Este boletim informativo é enviado pela XR Global Support, uma rede mundial de rebeldes que ajudam o nosso movimento a crescer. Precisamos de dinheiro para este trabalho crucial.

Contribui com o que te for possível


Sobre a Rebellion

Extinction Rebellion é um movimento descentralizado, internacional e politicamente não-partidário que usa a ação direta não-violenta e a desobediência civil para persuadir os governos a agir de forma justa em relação à Emergência Climática e Ecológica. O nosso movimento é feito de pessoas de todos os sectores da sociedade, contribuindo de formas diferentes com o tempo e a energia que podem dedicar. Temos um ramo local muito perto de ti, e adoravamos ter notícias tuas. Participa …or considera fazer uma doação.