Boletim Informativo Global #78

Como as Grandes Petrolíferas Conquistaram a COP

Friday, July 14, 2023 by Extinction Rebellion

Um 'Oil Slicker' lidera a marcha em direção a uma organização que ajudou o Big Oil a conquistar o COP. Foto: Gareth Morris

Nesta edição: Big Oil vs COP | XR RDC Rebel Tour | Protesto Indígena na Argentina

Cara Rebelde,

Da mesma forma que os traficantes de droga não devem dirigir centros de reabilitação, os executivos das grandes petrolíferas não devem dirigir as negociações sobre as alterações climáticas.

Excepto que agora, assim acontece. A COP, a cimeira das Nações Unidas onde os representantes mundiais nunca conseguem resolver a crise climática, terá lugar no final deste ano nos Emirados Árabes Unidos, um estado petrolífero com quase as piores emissões de carbono per capita do mundo.

Mais estranha do que a escolha do país anfitrião é a escolha do presidente da COP28 - o diretor executivo da Abu Dhabi National Oil Company (ADNOC). A empresa petrolífera não está apenas a partilhar o seu chefe com a COP - há provas crescentes de que a ADNOC está a supervisionar toda a sua operação. Isto, ao mesmo tempo que anunciou planos para duplicar a produção de petróleo e gás até 2027.

É o exemplo mais recente e mais condenável da influência das Grandes Petrolíferas no processo de negociação da ONU sobre o clima, e não é de surpreender que o último evento deste processo, a Conferência de Bona sobre Alterações Climáticas, tenha resultado em mais um impasse.

Os rebeldes organizam um comício de arte e performance para lançar uma campanha que mobilizará a resistência à extração de petróleo na RDC.

A ONU respondeu à controvérsia da COP28 pedindo aos lobistas do petróleo que estão presentes (provavelmente em número recorde) que se identifiquem. Mas pedir aos carteiristas que usem crachás não vai impedir que se perca a carteira.

Os rebeldes tiveram uma resposta mais robusta. Como as negociações sobre o clima estavam a fracassar em Bona, visitaram os escritórios da IPIECA em Londres - uma organização que tem representado as Grandes Petrolíferas em todas as reuniões da ONU sobre alterações climáticas, é totalmente financiada pelas Grandes Petrolíferas e é uma peça fundamental na máquina que paralisou a acção global sobre as alterações climáticas.

Pode encontrar mais sobre esta visita dos rebeldes, e como os espiões da polícia tentaram arruiná-la, em Action Highlights. Aí, também pode ler sobre como os rebeldes na República Democrática do Congo estão a criar resistência contra uma nova ronda de extracção de petróleo e como a XR Hungria e a XR Sérvia sincronizaram protestos contra um oleoduto entre os seus dois países.

A XR Misiones apoia os protestos indígenas em Jujuy, Argentina, onde o Estado planeia confiscar terras para a exploração de lítio. Têm-se visto manifestações de solidariedade para com estes protestos em todo o mundo.

Finalmente, o Canto da Solidariedade regressa para mostrar o nosso apoio aos camaradas que protestam em Jujuby, Argentina, que enfrentam uma brutal repressão policial por se oporem a leis corruptas destinadas a transformar as suas terras ancestrais em minas de lítio.

Vivemos num mundo onde a extração de combustíveis fósseis está a aumentar, as emissões de carbono estão a subir, as temperaturas globais estão a disparar, e os ecossistemas estão a desabar. Confiar nas grandes petrolíferas para que ponham alguma outra coisa à frente dos seus lucros não é apenas estúpido - é permitir o genocídio.

Na sua forma actual, a COP e as negociações que a rodeiam não são apenas corruptas, são uma charada criminosa, e instituições como o IPIECA têm sido fundamentais para criar esta distopia deprimente. Esta edição apresenta a primeira acção rebelde contra os seus escritórios, mas pode ter-se a certeza de que não será a última.


Assina este Boletim Informativo

A XR Global Newsletter é-lhe enviada pelo XR Global Support, uma rede mundial de rebeldes que ajudam o nosso movimento a crescer. Para continuar este trabalho crucial precisamos de contribuições monetárias.

Contribui Com O Que Te For Possível


Conteúdo

  • Destaques da acção: XR Reino Unido desmascara os grandes lobistas do petróleo, XR RDC constrói resistência ao petróleo, XR Hungria e XR Sérvia contra o "oleoduto da amizade"
  • Resumo das acções: Canadá, Reino Unido, Peru, Alemanha, Itália, Holanda, África do Sul, Nova Zelândia, Equador, Austrália, Uganda, EUA, Dinamarca, França
  • Canto da Solidariedade: Manifestantes em Jujuy, Argentina
  • Livro do Mês: Reflections on Earth Trusteeship
  • Sugestões para ler, ver e ouvir: O grande petróleo dirige a COP, História dos rebeldes do Ruanda, Como rebentar com a bilheteira, Entrevista com Charles Curtin
  • Anúncios: Acampamento Climático Adriático 2023, XR GS adopta a exigência 0

Acções em Destaque

Tirem as grandes petrolíferas da COP28

12 JUNHO | Londres, Reino Unido

Uma coligação rebelde que inclui activistas da Debt For Climate, daGlobal Justice Now e da Debt Justice realizou uma manifestação em frente aos escritórios da IPIECA, a organização utilizada pelas grandes empresas petrolíferas para influenciar e, em última análise, sabotar as negociações da COP sobre o clima.

Os rebeldes tinham planeado entrar na IPIECA e entregar uma carta, escrita por membros do Congresso dos EUA e do Parlamento Europeu, que apela aos líderes dos EUA, da UE e da ONU para limitarem a influência das empresas petrolíferas sobre a COP e substituírem o presidente da COP28, que é o CEO da Abu Dhabi National Oil Company - um dos principais membros e financiadores da IPIECA.

Mas a polícia tinha-se infiltrado nos canais de comunicação dos rebeldes e avisou o IPIECA. Quando os activistas chegaram, encontraram o edifício fechado e vazio, com um guarda à porta.

A aliança de activistas canta à porta das instalações do IPIECA.

Sem se deixarem intimidar, os rebeldes fizeram uma exibição disruptiva, chamando a atenção do IPIECA para o seu vergonhoso greenwashing e exigindo que a COP28 fosse libertada da influência das Grandes Petrolíferas. Houve discursos inflamados e uma exibição imponente dos XR Oil Slickers.

A IPICEA (Associação Internacional para a Conservação Ambiental da Indústria Petrolífera) foi criada em 1974 como principal elo de ligação entre a ONU e a indústria dos combustíveis fósseis, tendo participado em todas as reuniões da ONU sobre alterações climáticas.

Com uma equipa diversificada e cargos como ‘Climate Change Manager’, a organização apresenta-se como um centro de sustentabilidade e de acção climática. Mas a verdade deprimente é que é dirigida por antigos executivos das Grandes Petrolíferas, é 100% financiada pelas Grandes Petrolíferas e tem ajudado as Grandes Petrolíferas a capturar o processo da COP.

Discursos + Oil Slickers + Bateristas = Bons tempos.

636 dos delegados presentes na COP27 eram lobistas das indústrias do petróleo e do gás, um aumento de 25% em relação à COP26, onde os lobistas dos combustíveis fósseis já ultrapassavam qualquer delegação nacional. Este ano, a COP28 está essencialmente a ser gerida pela Abu Dhabi National Oil Company.

Um estudo recente da One Earth calculou que as grandes petrolíferas devem pelo menos 209 mil milhões de dólares por ano às comunidades mais afectadas pelas condições meteorológicas extremas causadas pela sua poluição (e exacerbadas pelas suas mentiras). Em vez disso, os países do Sul Global pagam milhares de milhões de dólares em reembolsos de dívidas aos países responsáveis pela emergência climática.

Veja o vídeo e junte-se à campanha Get Big Oil Out of COP28.


XR RDC diz Pétrole Non Merci!

1 - 23 JUNHO | Moanda, República Democrática do Congo

Os rebeldes lançam a campanha Pétrole Non Merci no mercado de Kituku em Goma, RDC

Rebeldes em toda a RDC estão a unir-se para dizer: "Pétrole Non Merci"! (Petróleo Não Obrigado!)

Esta campanha nacional foi iniciada pela XR University of Goma, que liderou esforços que vão desde a mobilização das comunidades locais até à protecção do Parque Nacional de Virunga através da campanha Fossil Free Virunga, e que já percorreu mais de 6.000 km através da RDC para se mobilizar contra a expansão das grandes companhias petrolíferas.

A campanha Pétrole Non Merci opõe-se à proposta de venda de 27 blocos petrolíferos e 3 blocos de gás, a maioria dos quais se sobrepõe a áreas protegidas como o Parque Virunga, mangais na costa e turfeiras na Bacia do Congo. A empresa petrolífera anglo-francesa Perenco apresentou recentemente uma proposta de compra dos novos blocos e exportará o petróleo através do oleoduto EACOP.

A campanha tem duas vertentes. Uma parte envolve a mobilização das comunidades onde se situam os novos blocos petrolíferos para reforçar o poder local e responsabilizar os funcionários. Os rebeldes estão a explicar a estas comunidades as muitas desvantagens da indústria dos combustíveis fósseis e como estas podem defender os seus direitos utilizando meios não violentos.

A Universidade XR de Goma viaja 6.000 km até Moanda para a formação da XR Moanda.

A segunda parte envolve a ligação a comunidades como Moanda, na costa oeste da RDC, que têm sido exploradas e abusadas pela Perenco durante décadas. Um rebelde de Goma que se deslocou até lá disse que "as pessoas de Moanda concordaram em acompanhar-nos nesta batalha para que juntos bloqueemos o caminho para as indústrias fósseis, a começar pela Perenco, que os nossos líderes políticos tentam mostrar falsamente como um exemplo positivo de exploração petrolífera."

Até à data, a Universidade XR de Goma realizou intercâmbios que resultaram na formação de XR Rutshuru, XR Moanda e XR Bunia. Ao longo do caminho, estão a organizar acções públicas utilizando a arte, a música e a performance - como a deslumbrante manifestação no mercado de Kituku de Goma que teve lugar depois da inundação de Kalehe em Maio.

Os rebeldes itinerantes tencionam continuar a actuar em toda a RDC, com revoltas populares coordenadas que digam NÃO aos dirigentes que continuam a querer defraudar a humanidade em proveito próprio.

Siga a campanha Pétrole Non Merci no Facebook e no Instagram.


Amizade verdadeira: Parar o inferno climático

20 JUNHO | Budapeste, Hungria & Belgrado, Sérvia

Budapeste: Rebeldes protestam em frente ao Ministério dos Negócios Estrangeiros. Os cartazes dizem: "A MOL lucra com a crise climática" e "Energia limpa para a Hungria!". A MOL é a companhia petrolífera húngara que está a construir o gasoduto.

A XR Hungria e a XR Sérvia juntaram-se para protestar contra o projeto de construção de um novo oleoduto de 128 km de comprimento entre os dois países. Apresentado oficialmente como um sinal de "amizade" entre as nações vizinhas, o oleoduto da Amizade permitiria à Sérvia contornar as sanções da UE relativas à importação de petróleo russo.

Este passo não se limita ao risco de desaprovação por parte da UE; um projeto desta magnitude influenciará a política energética nas próximas décadas, impulsionando a indústria dos combustíveis fósseis numa altura em que todos os países deveriam investir em alternativas.

Entretanto, os grupos rebeldes, que se conheceram inicialmente num acampamento climático na Croácia, forjaram uma amizade mais verdadeira ao realizarem protestos coordenados em frente ao Ministério dos Negócios Estrangeiros em Budapeste e ao Ministério das Minas e Energia em Belgrado.

Belgrado: Protesto paralelo em frente ao Ministério das Minas e Energia, com um cartaz a dizer 'Amizade pelo inferno climático'.

A XR Hungria foi fundada em 2019, mas sofreu uma queda sustentada na actividade após a pandemia. As acções recentes têm-se centrado na divulgação e sensibilização do público húngaro, com o objetivo de desenvolver a sua pequena mas dedicada comunidade de rebeldes.

A polícia estava tão pouco familiarizada com o grupo que teve dificuldade em copiar o nome Extinction Rebellion do cartaz, mas isso vai mudar em breve; uma nova ação ultra-secreta está a ser preparada para um futuro muito próximo, por isso fiquem atentos a mais notícias de Budapeste!

Siga a XR Hungria no Facebook e a XR Sérvia, também no Facebook!


Resumo de Ações

4 JUNHO | Canadá/Reino Unido: Dois rebeldes enfrentam a deportação por protestos pacíficos. No Reino Unido, um rebelde enfrenta a deportação para a Alemanha depois de ter sido condenado a 2 anos e 7 meses de prisão por ter escalado uma ponte no âmbito de um protesto Just Stop Oil. No Canadá, um rebelde enfrenta a deportação para o Paquistão pelo seu envolvimento em acções com a XR e a Save Old Growth. Encontra as suas petições nos links acima e assina-as!

7 JUNHO | Amazónia, Peru: Activistas indígenas usam canoas, lanças e cocktails Molotov para capturar dois petroleiros da PetroTal e raptar 14 membros da tripulação. O confronto ocorreu depois de o governo local ter anulado um acordo que previa a utilização de uma parte dos lucros do petróleo para financiar o desenvolvimento social na zona. A tripulação e os navios não sofreram ferimentos e foram libertados uma semana mais tarde, após uma reunião entre os activistas indígenas e as autoridades locais.

7 - 15 JUNHO | Bona, Alemanha: Activistas na Conferência do Clima de Bona deixam cair uma faixa à chegada do Presidente da COP28 (e executivo das grandes petrolíferas). Uma coligação que inclui activistas da Debt For Climate, Last Generation, Scientist Rebellion e XR montou um acampamento climático no exterior da conferência durante os seus últimos três dias. Os activistas do MAPA falaram à imprensa internacional sobre o cancelamento da dívida, Perdas & Danos, Degrowth, e de como a COP está a ser capturada pela indústria dos combustíveis fósseis.

10 DE JUNHO | Bolonha, Itália: Centenas de activistas, incluindo rebeldes, bloqueiam um troço da autoestrada para denunciar a cimentação da região pelas autoridades locais. Transformaram a autoestrada num espaço de arte, música e teatro e apelaram aos seus líderes para que criem uma Assembleia Regional de Cidadãos e deixem de utilizar dinheiro público para financiar o colapso climático.

11 JUNHO | Roterdão, Holanda: 60 rebeldes e activistas da Scientist Rebellion atrasam a partida de um navio de cruzeiro do porto de Roterdão. Apelaram às autoridades da cidade para que proibissem todos os navios de cruzeiro. Em média, um cruzeiro produz duas vezes mais CO2 do que umas férias de avião e o sector dos transportes marítimos continua sem elaborar um plano roteiro para a sustentabilidade.

12 de junho - Joanesburgo, África do Sul: Centenas de activistas, incluindo rebeldes, manifestam-se em frente à sede do Standard Bank durante a sua Assembleia Geral Anual. Alguns conseguiram entrar, com um ativista a entregar ao CEO um prémio por violações dos direitos humanos. Mais dois activistas foram expulsos à força do átrio. O banco sul-africano apoia o oleoduto ecocida EACOP, bem como outros projectos de combustíveis fósseis em toda a África.

**14 JUNE | Dunedin, Nova Zelândia:**Uma mulher de 64 anos que escreveu uma mensagem eletrónica falsa dizendo aos delegados de uma conferência sobre combustíveis fósseis que esta tinha sido adiada poderá ser condenada a 10 anos de prisão. Foi considerada culpada de fraude e será condenada em Setembro.

15 JUNHO | Equador: Activistas da Scientist Rebellion marcham com grupos indígenas e organizações comunitárias que exigem proteção contra a ameaça da exploração mineira. As marchas realizaram-se em todo o Equador, que vai realizar eleições em Agosto. Os candidatos presidenciais foram instados a libertar o país da exploração mineira.

18 - 23 JUNHO | Austrália: Activistas da Blockade Australia fecharam simultaneamente três grandes portos de carvão, utilizando tripés, postes, equipamento de escalada, cadeados e cola para bloquear repetidamente o porto de carvão de Newcastle, o porto de Melbourne e o porto de Brisbane. 8 activistas foram detidos e 3 foram mantidos na prisão durante uma semana. Saiba mais sobre a sua fantástica campanha aqui.

27 de junho | Kampala, Uganda: 22 estudantes marcharam pacificamente até ao parlamento do Uganda para entregar uma petição em que apelavam ao governo e à Total Energy para abandonarem o EACOP. Os estudantes foram bloqueados pela polícia, viram as suas bandeiras confiscadas e um deles foi ilegalmente detido. Reapareceu 3 dias depois, depois de ter sido torturado e brutalizado por atacantes desconhecidos. Em solidariedade, 27 activistas da Just Stop Oil sentaram-se em frente à sede da Total Energy em Londres, no Reino Unido. Foram detidos e sujeitos a condições de fiança (ilegais) que os proibiam de realizar qualquer protesto sem autorização prévia da polícia.

27 de junho - Nova Iorque, EUA: Os rebeldes juntaram-se a uma ação de solidariedade para com dois activistas da Declare Emergency que enfrentam até 10 anos de prisão e uma multa de 500.000 dólares após o seu protesto pacífico na National Gallery of Art em Washington, DC. Entretanto, os jovens activistas do novo grupo Climate Defiance encerraram uma angariação de fundos para um senador de Nova Iorque que aceita subornos para fazer passar oleodutos. O Climate Defiance tem apenas três meses de existência, mas já interrompeu eventos organizados por 5 senadores dos EUA e 2 conselheiros presidenciais pela sua cumplicidade no ecocídio.

30 DE JUNHO | Roskilde, Dinamarca: 45 activistas rebeldes & cientistas perturbam o aeroporto de Roskilde, onde os voos de jactos privados quadruplicaram desde 2020. Os que se encontravam na pista foram detidos e acusados de acordo com uma lei penal repressiva que pode levar a 6 anos de prisão. Entretanto, os super-ricos desfrutam do seu luxo criminoso.

1 JULHO | Lyon, França: Rebeldes ocupam um campo de golfe local para denunciar a acumulação e o desperdício de água pelos mais ricos para actividades de lazer, enquanto a seca assola o resto do país.


Cantinho da Solidariedade: Manifestantes em Jujuy, Argentina

Manifestantes em Jujuy são brutalizados pela polícia de choque com balas de borracha e gás lacrimogéneo.

A transição para tecnologias mais ecológicas é uma parte essencial da superação da crise climática, mas esta nova tecnologia é frequentemente produzida utilizando os mesmos sistemas exploradores, racistas e ecocidas da era dos combustíveis fósseis.

A Argentina possui um quinto das reservas mundiais de lítio, essenciais para as baterias que armazenarão a energia renovável do futuro. A procura deste metal está em alta, e a maior parte encontra-se nas zonas húmidas de grande altitude de Jujuy, uma província maioritariamente indígena onde a maioria das pessoas não tem título legal de propriedade das suas terras.

Recentemente, o governo regional de Jujuy aprovou "reformas" constitucionais que legalizaram a apropriação de terras indígenas para a exploração mineira, bem como a criminalização do protesto. Em resposta, as pessoas saíram às ruas, construindo bloqueios de estradas e ocupando edifícios.

Foram realizadas vigílias de solidariedade por grupos rebeldes em cidades de toda a Argentina, incluindo Buenos Aires, Mar del Plata e Tucumán.

O Estado reagiu com uma violência brutal e indiscriminada. A polícia de choque usou balas de borracha, gás lacrimogéneo e espancamentos, ferindo centenas de pessoas (incluindo um rapaz de 17 anos que perdeu um olho) e prendendo outras centenas. Há informações de que os tribunais regionais irão emitir multas excessivas para cobrir o défice da região resultante da perda de turismo e prender os que não puderem pagar.

Os manifestantes inspiraram a solidariedade de rebeldes na Argentina e de activistas em todo o mundo. De acordo com um porta-voz rebelde da região, embora os grupos ambientalistas estejam a apoiar os protestos, estes estão a ser liderados pela comunidade indígena. Não há polícia suficiente para desobstruir os bloqueios de estradas e, em vez disso, o Estado está a tentar desgastar os manifestantes.

Os manifestantes estão cansados, mas os seus bloqueios mantêm-se. Não tencionam recuar enquanto as "reformas" não forem revogadas e o governador não se demitir. Nós saudamo-los.


Livro do Mês

Reflections on Earth Trusteeship, editado por Justin Sobion, Hams van Willenswaard

Reflections on Earth Trusteeship propõe e explora uma mudança radical na governação global - que a lei e a política sejam organizadas em torno do princípio de que a Terra é uma entidade e os seres humanos são os seus administradores e não os seus proprietários.

A ideia não é nova, mas, em vez de se limitarem a dizer porque é que o trusteeship é uma boa ideia, os autores exploram o conceito através de lentes jurídicas, filosóficas e históricas, demonstrando que o trusteeship é consistente com o direito internacional, já goza de um amplo apoio em vários países e está prestes a ter o seu momento histórico.

Os autores defendem os seus argumentos numa linguagem que se espera que pessoas extremamente poderosas compreendam e considerem legítimos.

A linguagem académica e legalista torna o texto um pouco difícil de ler, e o princípio organizador do livro está longe de ser claro. Por vezes, parece uma coleção de material tematicamente relacionado e não uma obra coesa.

Mas este é um livro ambicioso. Se conseguir realizar nem que seja uma fracção do que se propõe fazer, todos ficaremos melhor.

Evita a Amazon. Apoia livrarias locais. Se vives no Reino Unido compra os teus livros na Bookshop ou Hive.


Sugestão para leituras, visualizações e audições obrigatórias

Leia a viagem deste rebelde desde uma quinta no Uganda para o XR Ruanda em 'My Climate Story'.

Podcast do Guardian: O CEO da companhia petrolífera que dirige a COP28 (26 mins)
Um jornalista do Guardian expõe a forma como os Emirados Árabes Unidos partilhavam um servidor de e-mail da COP28 com a empresa petrolífera estatal ADNOC, dando à empresa petrolífera acesso a todos os e-mails de e para o comité organizador da conferência. O podcast também traça o perfil do CEO da ADNOC, que é o presidente da COP28, e o misterioso exército de contas falsas nas redes sociais que defendem a sua organização da cimeira.

Blogue de apoio global do XR: A minha história sobre o clima
Um rebelde do Ruanda, criado numa quinta pela sua avó no Uganda, traça o seu percurso até ao activismo climático, incluindo um relato comovente de como a sua infância foi atormentada pela morte e pela fome devido a condições meteorológicas extremas.

Novara Media Podcast: How To Blow Up The Box Office (59 mins)\ O co-argumentista e produtor do recente filme de suspense ecológico "How To Blow Up A Pipeline", inspirado no livro com o mesmo nome, discute as várias questões éticas em torno de fazer arte a partir do activismo extremo, incluindo a forma como dar ao público a catarse da ação climática pode reduzir o activismo em vez de o encorajar.

Blogue de Apoio Global do XR: Uma entrevista com Charles Curtin
Este ecologista americano trabalha com comunidades rurais há muitas décadas e, nesta entrevista abrangente, reflecte sobre como, à medida que o nosso mundo aquece, o conhecimento indígena, o activismo localizado e as economias circulares são as chaves para o futuro.


Anúncios

Adriatic Climate Camp 2023: Estão convidados!

23 - 27 AGOSTO | Ilha de Krk, Croácia

A XR Zagreb tem o prazer de o convidar para o 2º Adriatic Climate Camp em Camp Bor, na ilha de Krk, Croácia, de 23 a 27 de agosto de 2023!

Vamos protestar contra a expansão planeada do terminal de GNL em Krk, mas o acampamento também incluirá workshops, partilha de competências, sessões plenárias, debates e muito mais.

As despesas de alojamento e alimentação serão cobertas pelo XR Zagreb, mas os donativos também são bem-vindos.

Para se candidatar ao campo de férias, preencha este formulário.


XR Global Support: Exigência 0 adoptada!

14 DE JUNHO

Em resposta aos grupos locais que tomaram medidas semelhantes e ao apoio comunicado pela maioria dos grupos, o XR Global Support adoptou a Exigência 0 (também conhecida como a 4ª Exigência):

"Exigimos uma transição justa que dê prioridade às comunidades vulneráveis, à soberania indígena, à atribuição de reparações pela injustiça ambiental, aos direitos legais para ecossistemas prósperos, à prevenção do ecocídio e a um planeta habitável para todos."

Esta nova exigência aplica-se apenas ao XR Global Support e não aos grupos locais XR, que podem decidir dar este passo no seu próprio tempo e à sua maneira.


Obrigado

15 DE JUNHO | Boston, EUA: 8 rebeldes são presos depois de mostrarem o traseiro aos legisladores estaduais. Nas suas nádegas, estava escrita a mensagem "STOP PASSING GAS". A exposição mediática foi diferente de tudo o que a XR Boston alguma vez viu.

Obrigado pela leitura, rebelde. Se tiveres alguma questão ou comentário, queremos ouvir-te. Entra em contacto connosco em xr-newsletter@protonmail.com.


Para eventos, formação e oportunidades a nível mundial, visita XR Global Support Events.

Subscrever a XR Global Newsletter.

Esta newsletter é-lhe enviada pelo XR Global Support, uma rede mundial de rebeldes que ajudam o nosso movimento a crescer. Precisamos do seu contributo monetário para continuar este trabalho crucial.

Contribui Com O Que Te For Possível


Sobre a Rebellion

Extinction Rebellion é um movimento descentralizado, internacional e politicamente não-partidário que usa a ação direta não-violenta e a desobediência civil para persuadir os governos a agir de forma justa em relação à Emergência Climática e Ecológica. O nosso movimento é feito de pessoas de todos os sectores da sociedade, contribuindo de formas diferentes com o tempo e a energia que podem dedicar. Temos um ramo local muito perto de ti, e adoravamos ter notícias tuas. Participa …or considera fazer uma doação.