Boletim Informativo Global #76

Suficientemente Grande?

Friday, May 12, 2023 by Extinction Rebellion

Rebeldes marcham em Londres e pedem o fim dos combustíveis fósseis durante o The Big One.

Nesta edição: The Big One da XR UK | Dia da Terra na América do Sul | Cerco a bancos dos EUA |

Cara Rebelde,

No início deste ano, a XR UK anunciou que iria (temporariamente) desistir da interrupção pública. Em vez disso, daria prioridade à participação pública, indo para além do seu movimento para construir um protesto em massa onde a detenção fosse improvável e o grande volume forçaria o governo a negociar.

O protesto ganharia o apoio (e os apoiantes) de outros eco grupos, sindicatos, organizações comunitárias e instituições de caridade. Seria a rebelião mais inclusiva e acessível de sempre. Seria o The Big One.

Última Geração sujar empresas ecocidas com óleo falso durante a Rebelião de Berlim.

Podes descobrir se esta audaciosa mudança táctica rendeu frutos suficientes acedendo a Destaques de Acção. Ali podes também ler sobre rebeliões em mais duas cidades, com rebeldes bloqueando os bancos de Nova York e sujando os criminosos climáticos de Berlim.

Também relatamos uma onda de acções inspiradoras do Dia da Terra na América do Sul, com 23 grupos XR crescendo em todo o continente. Os rebeldes organizaram danças ariel na Colômbia, um desastre nuclear no Brasil e manifestaram-se contra as leis de mineração no exterior do Parlamento do Chile. Sabe mais em Destaques de Acção.

Um espectáculo de dança em Bogotá, Colômbia, parte da campanha "Earth in Rebellion".

Quer a XR UK opte por continuar a sua experiência com a obediência civil ou regressar às tácticas disruptivas que a definiram, a espantosa aliança activista que apoiou o The Big One deve ser celebrada.

O sistema que polui implacavelmente os nossos céus, explora os trabalhadores, alimenta guerras e saqueia o Sul Global em busca de lucro é o mesmo, e quanto mais cedo nos unirmos, mais cedo o nosso inimigo comum será derrotado.

O único aspecto positivo de um sistema tão injusto é como ele enriquece o solo do activismo. Novas organizações de base surgem todos os dias, cada uma com o seu próprio foco e tácticas. Devemos continuar a criar raízes e a polinizar ideias e acções.

Só através da experimentação orgânica e da colaboração entre activistas é que o roteiro para um planeta sustentável será traçado. E devemos desenhá-lo. Milhões estão morrendo agora na sua ausência, e outros bilhões morrerão se não puder ser encontrado.


Assina este Boletim Informativo

A XR Global Newsletter é-lhe enviada pelo XR Global Support, uma rede mundial de rebeldes que ajudam o nosso movimento a crescer. Para continuar este trabalho crucial precisamos de contribuições monetárias.

Contribui Com O Que Te For Possível


Conteúdo

  • Destaques de Acção: The Big One da XR UK, "Earth in Rebellion" da América do Sul, US Bank Takeover, Berlin Spring Rebellion.
  • Resumo de Acção: Uganda, Itália, Quénia, Países Baixos, Reino Unido, Austrália, EUA, França, Dinamarca, Zimbábue.

Acções em Destaque

The Big One: Aliança Ampla Colocada em Modo “Ignorar”

21 - 24 ABRIL | Londres, Reino Unido

Houve marchas tão grandes que foi necessário fazer fila para se juntar a elas. Houve discursos comoventes, apresentações musicais repletas de estrelas, piquetes na frente de edifícios governamentais e assembleias populares usando software inteligente para permitir que ideias sejam carregadas e avaliadas.

Mas faltava um ingrediente chave nesta rebelião na cidade onde a rebelião começou. E esse ingrediente era uma perturbação. Em vez disso, esta seria uma rebelião onde qualquer pessoa preocupada com a crise climática poderia comparecer sem medo de ser detida, e os números absolutos forçariam o governo ao diálogo. Este seria The Big One.

Durante quatro dias, Westminster tornou-se um local de criatividade, solidariedade e assembleia pública.

Um benefício directo desta táctica suave foi o apoio sem precedentes de mais de 200 grupos ecológicos e de justiça social, com barracas de muitos deles ao longo da estrada fora do parlamento que acolheu a rebelião de 4 dias.

Também houve uma nítida falta de polícia. Sem colunas de policiais carrancudos, que se precipitavam para prender alguém aleatoriamente ou apreender um sistema de alto-falantes. Tínhamos agora um pequeno exército de administradores rebeldes sorridentes, garantindo que as calçadas fossem mantidas desobstruídas, que os horários fossem cumpridos e que as perturbações fossem reduzidas ao mínimo.

Mas esta Era mais amorosa e menos raivosa também teve os seus problemas. Depois de fazer muito barulho sobre como a rebelião arruinaria a vizinha Maratona de Londres (não o fez), os órgãos de comunicação britânicos praticamente ignoraram The Big One, e o mesmo fez o governo. Os rebeldes e outros activistas podem ter-se concentrado à porta do parlamento, mas é evidente que os números necessários para abrir essa porta não foram atingidos.

Um refugiado Argelino fala da sua angustiante viagem ao Reino Unido e de como a procura da felicidade deveria ser um direito humano.

Não quer dizer que os números de comparecimento foram maus. Pelo menos 60000 pessoas participaram da marcha da biodiversidade do Dia da Terra em torno de Westminster, e durante os 4 dias a meta da XR UK de 100000 participantes foi certamente alcançada.

A ampla nova aliança do Big One também trouxe rostos novos e acções enriquecidas, como a comício no exterior do Ministério do Interior onde um requerente de asilo Argelino falou com comoção sobre sua perigosa jornada através do Canal da Mancha antes que os rebeldes lançassem milhares de pequenos barcos de papel rosa em solidariedade a todo migrantes.

A abordagem de braços abertos da XR UK e a incrível aliança activista que resultou devem ser celebradas. Mas para que um futuro Big One desafie o sistema, ele precisa ser muito maior, ou muito mais perturbador, ou (de alguma forma) ambos.

Cientistas rebeldes descrevem o dilema táctico que a XR UK enfrenta.

A última assembleia popular da rebelião mostrou que a grande maioria quer regressar às acções perturbadoras, apesar das novas leis de protesto draconianas. Resta saber se isto poderá diminuir ou estimular a nova aliança activista.

A XR tem sido há muito tempo um espaço onde acções familiares e desobediência civil podem coexistir pacificamente, cada uma enriquecendo o movimento à sua maneira especial. A esperança é que a XR UK possa agora construir sobre as alianças forjadas durante o The Big One, e garantir que o The Next One encontre aquele ponto ideal entre o bom e o picante, entre o grande e o que chama a atenção, e deixe aqueles que estão no poder tão agitados que realmente abram essa porta.

Diz à XR UK o que achas que deve acontecer a seguir.


Extravagância no Dia da Terra na América do Sul!

21 - 26 ABRIL | América do Sul

Polícia Militar interrompe a actuação rebelde sobre mineração de urânio em frente à sede do governo estadual. Foto: barbarafreitxs

A rebelião varreu a América do Sul para marcar o Dia da Terra. Depois de séculos de extractivismo desenfreado, 23 grupos XR, incluindo rebeldes na Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Chile, Equador, México, Peru e Venezuela, uniram-se sob a bandeira da "Terra em Rebelião" (Tierras en Rebeldía) para dizer aos governos e às empresas que já chega.

No Brasil, rebeldes juntaram-se a activistas do Greenpeace para uma manifestação radioactiva em frente à sede do governo do estado do Ceará. Um rebelde coberto de queimaduras estava diante de figuras com máscaras de gás, um alerta de como o desastre se aproxima se a mineração de urânio continuar a contaminar a região.

A polícia militar certamente estava assustada, forçando os activistas a descerem do passeio, alegando que eles estavam a violar o perímetro de segurança do prédio, ameaçando depois chamar a tropa de choque fortemente armada se eles não saíssem.

Rebeldes em Bogotá dançam como abelhas, reúnem-se nas ruas e pintam um mural.

Na Colômbia, a XR de Bogotá destacou a perda de biodiversidade em áreas húmidas e florestas locais ao organizar uma dança aérea de seda inspirada nas abelhas, que incluía uma mensagem especial da Mãe Natureza. Depois de um comício e de uma palestra de rua proferida por um professor local, a acção terminou com os rebeldes pintando juntos um intrincado mural na pista que simbolizava a mensagem do dia: O tempo está se esgotando; transição ou extinção.

Os rebeldes protestaram contra a expansão de uma enorme mina de cobre Anglo-Americana no centro do Chile, que ameaça a saúde e a segurança hídrica de toda a vida nas regiões de Valparaíso e Santiago. A XR Santiago reuniu-se no exterior do parlamento que aprovou recentemente a expansão da mina e apelou à demissão do Ministro do Ambiente.

Na Argentina, os rebeldes compartilharam os seus medos sobre a crise climática na Plaza del Mayo, em Buenos Aires, colaram cartazes durante a noite em La Plata e realizaram festivais aéreos abertos em Missiones e Gbaoeste.

Colocação de pósteres em La Plata, Argentina. Uma manifestação contra a desflorestação em La Paz, Bolívia.

Uma coligação de activistas, incluindo rebeldes, reuniu-se à entrada do parque Chapultepec, na Cidade do México, para condenar a inacção política face à emergência climática e empresas ecocidas como a PEMEX, a empresa petrolífera estatal. Antes de uma apresentação rebelde onde 'animais' foram mergulhados em 'óleo' PEMEX, houve um minuto de silêncio para todos os activistas que foram presos e assassinados na região.

Apesar da tranquilidade e do amplo apelo destas acções, o activismo ambiental na América do Sul é altamente perigoso: só na Colômbia, 65 defensores ambientais foram mortos em 2020). Independentemente do risco para as suas vidas, os rebeldes da América do Sul estão a conseguir opor-se às corporações ecocidas e aos seus governos negligentes numa escala cada vez maior.


Rude despertar para os bancos mais sujos da América

24 ABRIL - 3 MAIO | NYC, São Francisco, Charlotte, Washington DC, EUA

Rebeldes pintam com spray as janelas do banco Wells Fargo, na cidade de Nova York.

Num protesto barulhento, que durou vários dias, desde o “Dia da Terra até ao Primeiro de Maio” (e além), centenas de activistas climáticos, jovens e velhos, reuniram-se à porta de três dos grandes bancos dos EUA, exigindo o fim do seu escandaloso financiamento da indústria dos combustíveis fósseis.

Os 60 maiores bancos do mundo investiram US$ 5,5 triliões em projectos de combustíveis fósseis nos sete anos desde o Acordo de Paris, e três dos piores - Citibank, Wells Fargo e Bank of América - estão sediados nos EUA.

Entre eles, estes três bancos investiram 932 mil milhões de dólares em carvão, petróleo e gás desde 2016, e quase 110 mil milhões de dólares só no último ano. Escolhendo datas que coincidiam com suas assembleias gerais, rebeldes e outros activistas em Nova York, São Francisco e Charlotte, Carolina do Norte dirigiram-se à sede dos bancos para causar o máximo de transtornos possível.

Uma coligação de rebeldes forma-se no exterior do Citibank em Manhattan, Nova York

Em Nova Iorque, uma coligação incluindo XR NYC, New York Communities for Change, Rise & Resist, Climate Organizador Hub e Sunrise Movement ocuparam a praça em frente à sede do Citi em Manhattan durante dois dias. Eles tocaram tambores e dançaram, fazendo debates e workshops, borrifaram as janelas do banco com a exigência urgente de "NOVO PETRÓLEO NÃO" e dormiram no cimento frio com nada para além de sacos-cama.

Entretanto, em Charlotte, Carolina do Norte, activistas da Green Faith, Rainforest Action Network, Terceiro Acto e Rebelião Científica cercaram a sede do Bank of America e, em São Francisco, rebeldes e activistas do Stop Money Pipeline bloquearam o escritório principal da Wells Fargo, orquestrando uma impressionante colocação de faixas na sua entrada.

Manifestantes com uma faixa em frente à sede da Wells Fargo em São Francisco

Nos dois dias seguintes, o Reclaim Our Tomorrow teve como alvo empresas de investimento que apoiam os combustíveis fósseis, KKR e BlackRock, em Hudson Yards, em Nova Iorque. Quando 75 manifestantes com forquilhas e óleo falso tentaram bloquear a entrada da BlackRock, a segurança privada e a polícia reagiram violentamente, lançando activistas ao chão e prendendo 11.

Para terminar a semana, centenas de outros rebeldes – incluindo o grupo Scientific Rebellion e o grupo de socorristas Guardian Rebellion – criaram muito barulho fora do Jantar dos Correspondentes da Casa Branca em Washington, D.C. E, finalmente, nove rebeldes presos numa rua perto do Met Gala em Nova Iorque, bloquearam um veículo transportando celebridades para o evento.

Onze manifestantes foram presos em Nova Iorque por pintarem spray no Citibank e nas filiais do Bank of America e do Wells Fargo. A XR NYC garante que todos tenham apoio e representação legal enquanto aguardam para serem chamados ao tribunal.


Berlim não pagará aos super-ricos

12 - 17 DE ABRIL | Berlim, Alemanha

Banner: “Proclame estado de emergência para a biodiversidade!” Foto: Jana Legler

Milhares de rebeldes transformaram uma semana chuvosa em Berlim numa semana de acção comovente! Mobilizaram-se por toda a capital para exigir que o governo declarasse uma emergência de biodiversidade e convocasse uma assembleia de cidadãos para enfrentar a crise climática.

A rebelião começou com a criação de um acampamento base num parque no centro de Berlim, oferecendo aos rebeldes comida, oficinas, música e apoio gratuitamente para toda a semana. Vários treinos e palestras foram organizados por activistas do Sul Global, e o foco geral do acampamento foi promover o anti-racismo e acções inclusivas.

No dia seguinte, uma grande manifestação foi do parque até o Portão de Brandenburg. A marcha apresentou uma celebração irónica dos super-ricos e dos seus lucros contínuos à custa de todas as outras pessoas do planeta. Enquanto os famosos "bilionários" preparavam o seu foguete para o planeta B, os dinossauros da indústria dos combustíveis fósseis festejavam.

À esquerda: Um banner gigante é pendurado em um hotel de luxo em Berlim. À direita: bilionários preparam-se para embarcar no seu foguetão exclusivo. Fotos: Alex e Eike

As emissões de carbono dos 1% mais ricos são mais do dobro das emissões da metade mais pobre da humanidade. Para acabar com a festa dos bilionários, os rebeldes lançaram uma bandeira enorme no lado de um hotel super exclusivo, deixando bem claro que não podemos pagar pelos super-ricos!

Activistas dos Scientist Rebellion e da Last Generation também sujaram os edifícios de uma dúzia de corporações, grupos de lobby e partidos políticos que continuam a agravar a destruição ambiental. Houve muita cobertura dos meios de comunicação neste segundo dia de rebelião, e exacerbado pela total falta de acção climática por parte do governo, o público alemão está cada vez mais apoiando esses tipos de protestos.

À esquerda: XR tocadores de tambores definem a batida da marcha. À direita: Rebeldes em topless protestam na Ilha dos Museus. Fotos: Jennifer von der Heydt e Eike

Depois deste início fantástico, a rebelião não terminou. A Animal Rebellion liderou um grande protesto contra a pecuária industrial, e houve um flash mob na Estação Central da cidade, alertando os viajantes sobre a necessidade de uma protecção imediata das espécies programa se quisermos salvar os nossos ecossistemas.

A semana terminou com diversas marchas e manifestações com foco na crise da biodiversidade, bem como algumas acções menores e mais direccionadas, como aquela em que um rio foi tingido de verde fora da sede da gigante agro-química Bayer, ou onde os rebeldes confrontaram os frequentadores do museu com a verdade nua e crua: não há arte num planeta morto!

Sem grandes intervenções policiais, com boa atenção dos meios de comunicação e uma participação maravilhosa, a rebelião da Primavera em Berlim foi um grande sucesso. Ao longo da semana, também foi arrecadado muito dinheiro e um quinto das doações irá para grupos rebeldes no Sul Global.


Resumo da Acção

10 - 16 DE ABRIL | Global: Quando os delegados chegaram para a Reunião de Primavera do FMI e do Banco Mundial em Washington, os rebeldes juntaram-se aos activistas da Debt for Climate para uma manifestação no exterior. Ações de solidariedade foram realizadas em todo o mundo, inclusive no Uganda (foto).

14 DE ABRIL | Itália: Ações rebeldes foram realizadas em Roma, Milão e Bolonha para destacar como a emissora pública italiana RAI não consegue relatar honestamente a gravidade da crise climática. Faixas foram penduradas e protestos foram realizados fora de três dos escritórios principais da RAI.

14 DE ABRIL | Nairobi, Quénia: Activistas da Fundação Polly realizam um dia de eco educação escolar que termina com a plantação de árvores.

17 DE ABRIL | Sheffield, Reino Unido: Uma mesa no campeonato mundial de snooker é encharcada com corante em pó por um activista da Just Stop Oil. Nenhum dano foi causado. Dias depois, dois activistas da Just Stop Oil foram condenados a 3 anos de prisão por escalar uma ponte em Londres, a sentença mais longa já registrada por uma acção climática pacífica na história do Reino Unido.

20 DE ABRIL | Amsterdão, Países Baixos: Vitória! Após uma campanha sustentada da Scientific Rebellion, a Universidade Livre torna-se a segunda no mundo a cortar laços com a indústria dos combustíveis fósseis (a primeira foi Princeton, nos EUA). Faça com que sua universidade seja a terceira!

21 DE ABRIL | Melbourne, Austrália: Uma dúzia de rebeldes montaram suas tendas pop-up no hall de entrada da sede da Exxon Mobil. Uma rebelião do Occupy For Climate ocorrerá na cidade de 25 a 27 de maio. Comprometa-se a ir aqui. Foto: D Judd

21 DE ABRIL | Boston, EUA: Centenas de pessoas reuniram-se em frente à Câmara Estadual de Massachusetts para um comício e die-in no Dia da Terra organizado pela XR Boston. Incluía membros de dez outros grupos ecológicos e sociais locais, bem como membros do público. Foto: Lita XuLing Kelley

22 DE ABRIL | Toulouse, França: XR Toulouse juntou-se ao Earth’s Uprisings e outros grupos para organizar um forte protesto de 8000 pessoas contra uma nova auto-estrada. Os activistas construíram um muro ao longo do percurso, que alargará as estradas existentes entre Toulouse e Castres e devastará o ambiente local.

28 DE ABRIL | Copenhague, Dinamarca: Como parte da manifestação Befri Jorden – Liberte a Terra, os rebeldes transformam a rua em frente ao parlamento Dinamarquês num jardim gigante. O bloqueio foi tão grande que a polícia não conseguiu prender todos, mas conseguiu prender mais de 300! Os rebeldes resistentes planeiam regressar no dia 12 de Maio.

5 DE MAIO | Mutare, Zimbábue: Os rebeldes realizaram uma limpeza de lixo no Vale Fern, incentivando os moradores locais a juntarem-se no cuidado com o meio ambiente.

Tantas acções aconteceram este mês que não conseguimos encaixar todas numa newsletter. Saiba mais sobre as acções no Sri Lanka, Sérvia, Suécia, Noruega, Ruanda e muito mais lendo a Newsletter XTRA: Um banquete para os olhos e combustível extra para a alma!

Lê a Newsletter XTRA


Obrigado

Os animais também participaram na Marcha da Biodiversidade do The Big One. Foto: Andrea Domeniconi

Obrigado pela leitura, rebelde. Se tiveres alguma questão ou comentário, queremos ouvir-te. Entra em contacto em xr-newsletter@protonmail.com.


Subscrever a XR Global Newsletter.

Para eventos, formação e oportunidades a nível mundial, visita XR Global Support Events.

Envolve-te na XR onde quer que estejas! Confere o nosso site global, sabe mais sobre nosso movimento e liga-te com rebeldes na tua área local.

A XR Global Newsletter é-lhe enviada pelo XR Global Support, uma rede mundial de rebeldes que ajudam o nosso movimento a crescer. Para continuar este trabalho crucial precisamos de contribuições monetárias.

Contribui Com O Que Te For Possível


Sobre a Rebellion

Extinction Rebellion é um movimento descentralizado, internacional e politicamente não-partidário que usa a ação direta não-violenta e a desobediência civil para persuadir os governos a agir de forma justa em relação à Emergência Climática e Ecológica. O nosso movimento é feito de pessoas de todos os sectores da sociedade, contribuindo de formas diferentes com o tempo e a energia que podem dedicar. Temos um ramo local muito perto de ti, e adoravamos ter notícias tuas. Participa …or considera fazer uma doação.