Global Newsletter #77

A Mãe de Todas as Rebeliões

Friday, June 16, 2023 by Extinction Rebellion

Mãe e filha em San José, Costa Rica. Legenda: Vamos cuidar de todos os nossos recursos naturais, para deixarmos um mundo verde para as gerações futuras.

Nesta edição: A rebelião das Global Mothers | XR Bangladesh | Registo de Prisão dos Rebeldes Holandeses

Cara Rebelde,

Estamos a deixar aos nossos filhos um mundo que é muito mais perigoso e desigual do que aquele que herdámos.

Se as emissões de carbono continuarem ao ritmo actual, uma criança nascida hoje viverá num planeta onde entre um terço e metade da população mundial não poderá prosperar devido a temperaturas extremas.

Já estamos a ter vislumbres deste futuro assustador - um mundo em que os trabalhadores da construção civil indianos se sentem como se trabalhassem em fornos, onde os incêndios florestais que grassam por todo o Canadá obrigam os Americanos a ficar dentro de portas e a olhar para céus laranja.

Com a recente chegada do El Niño, um padrão climático global que vai aquecer ainda mais o planeta, estes sintomas só podem piorar.

Mães e crianças reúnem-se em Nova Deli, Índia, para a Rebelião das Global Mothers.

Mas mães rebeldes em 62 cidades de todo o mundo recusaram-se a desviar o olhar. Ocuparam espaços públicos, partilharam os seus receios sobre o horror que continua a avançar, prometendo fazer tudo o que pudessem para proteger todas as crianças desse avanço. Saiba mais sobre esta Mothers Rebellion verdadeiramente global em Action Highlights.

Também pode ler sobre o emocionante ressurgimento do XR Bangladesh, o incrível número de detenções que resultaram de um bloqueio de autoestrada na Holanda e como uma aliança de activistas levou a rebelião rock-n-roll às ruas na Austrália.

Na rubrica Humanos do XR, falamos com uma rebelde na Suécia que foi forçada a fugir da sua casa no Irão devido ao seu activismo político. E numa Reportagem Especial, analisamos o que se segue para a XR UK depois da sua ousada, bela mas largamente ignorada rebelião "Big One".

A polícia holandesa prendeu um número recorde de rebeldes que bloqueavam uma autoestrada, alguns de forma violenta.

Ainda estamos a tempo de garantir que vivemos num mundo onde a insolação em massa, os incêndios florestais apocalípticos e os céus cor de laranja são a exceção e não a norma.

Cada 0,1 °C de aquecimento irá expor mais 140 milhões de pessoas a níveis de calor prejudiciais. Temos de seguir o exemplo das mães rebeldes e fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para manter o nosso mundo tão habitável quanto possível para a vida futura.


Assina este Boletim Informativo

A XR Global Newsletter é-lhe enviada pelo XR Global Support, uma rede mundial de rebeldes que ajudam o nosso movimento a crescer. Para continuar este trabalho crucial precisamos de contribuições monetárias.

Contribui Com O Que Te For Possível


Conteúdo

  • Destaques da acção: Rebelião das Global Mothers*, XR Bangladesh vs G7, XR Bloqueio da A12 na Holanda, XR Occupy For Climate na Austrália
  • Resumo das acções: Reino Unido, Equador, Itália, Tanzânia, Suíça, Alemanha, Espanha, França, Suécia, RDC, País de Gales.
  • Relatório especial: O que se segue para a XR UK?
  • Humanos da XR: Sima, Suécia

Acções em Destaque

Amor e Raiva de uma Mãe

13 MAIO | Índia, Uganda, RDC, Zimbabué, Zâmbia, Nigéria, África do Sul, Costa Rica, México, Argentina, EUA, Austrália, Alemanha, Reino Unido, Suécia, Noruega, Finlândia, Polónia, Espanha, Portugal

Mães de todo o mundo não olham para o lado, recusam-se a desistir e farão tudo o que estiver ao seu alcance para conseguir justiça climática para os seus filhos.

Esta foi a mensagem transmitida por mães rebeldes em 62 cidades de 20 países no dia anterior à celebração do Dia da Mãe em grande parte do mundo. Sentaram-se em espaços públicos formando círculos virados para o exterior, segurando cartazes com os nomes dos seus filhos, acompanhadas de avós, tias, sobrinhas, irmãs, filhos e outros aliados.

Cada círculo era diferente - alguns eram calmos e contemplativos, outros incluíam danças e canções, outros tinham histórias para crianças ou desfiles de carrinhos de bebé!

Mães rebeldes e seus aliados unem-se (no sentido dos ponteiros do relógio, a partir do canto superior esquerdo) em Londres, Reino Unido, Ludhiana, Índia, Kampala, Uganda, e Lusaka, Zâmbia.

A onda global de acções foi organizada pela Mothers* Rebellion, sendo que o * significa a inclusão de mães, outros prestadores de cuidados e seus aliados. A campanha aproveitou todo o seu poder para sublinhar que a crise climática é uma questão de direitos da criança e que os menos responsáveis pela crise serão os mais afectados.

Uma mãe rebelde na Austrália disse: "As mulheres sempre utilizaram a sua posição de mães para influenciar a sociedade. O Dia da Mãe começou como um movimento anti-guerra."

Outra no Uganda acrescentou: "Estamos aqui para lembrar às pessoas que podem e devem responder às alterações climáticas agora, e que todas as pessoas têm de as combater, não apenas os políticos."

Um pai na Índia saudou as mães participantes por "difundirem consciência para salvar a Mãe Terra e proporcionarem um ambiente saudável às gerações vindouras!"

Um círculo em Malmö, na Suécia, onde o movimento das mães rebeldes começou.

A Mothers* Rebellion foi fundada em 2022 por membros da XR Los Angeles. Juntaram forças com mães rebeldes na Suécia que já tinham começado a organizar-se localmente

  • desde então mais de 3000 mães se sentaram em círculos em 20 cidades suecas.

No início deste ano, juntaram-se mulheres na Alemanha, Suécia, EUA, Uganda e Zâmbia para começar a planear esta primeira Mothers' Rebellion global. Depois de uma campanha tão ampla e brilhante, já estão a ser feitos planos para a próxima.

Junte-se à Mothers* Rebellion e siga a sua campanha no Instagram.


Líderes do G7: Parem de financiar os combustíveis fósseis

19 MAIO | Daca, Bangladesh

Os rebeldes do Bangladesh e os seus aliados exigem que o G7 deixe de financiar os combustíveis fósseis.

Com faixas, cartazes e altifalantes, mais de 100 activistas reuniram-se no exterior do Clube Nacional de Imprensa do Bangladesh para condenar os governos mundiais pela sua contínua extração e consumo de combustíveis fósseis.

Rebeldes da recém-formada XR Bangladesh juntaram-se a membros locais da Fridays for Future e da YouthNet for Climate Justice para exigir uma acção efectiva das nações do G7, cujos líderes se encontravam em Hiroshima, no Japão, para a sua cimeira anual.

A aliança de activistas formou uma cadeia humana em torno do clube de imprensa, com alguns a usarem máscaras de oxigénio para chamar a atenção para a terrível poluição atmosférica criada pelos combustíveis fósseis. Dhaka foi classificada como uma das cidades mais poluídas do mundo e o Bangladesh como um dos países mais poluídos, graças, em grande parte, ao uso continuado de carvão e às enormes emissões do tráfego rodoviário e da construção.

Outros activistas escreveram "Don't Gas Asia" em letras gigantes para sublinhar como as nações asiáticas, incluindo o Bangladesh, importam cada vez mais gás natural líquido (GNL). A polícia não interveio e não houve detenções.

Um ativista usando uma máscara de oxigénio exige energia renovável no Bangladesh.

O Bangladesh é um dos países mais ameaçados do mundo pelas consequências do colapso climático, onde uma população empobrecida ficou ainda mais ameaçada por séculos de capitalismo colonial e exploração pelo Ocidente.

Os manifestantes enviaram uma mensagem clara de que o governo do Bangladesh

  • e, mais ainda, as nações ricas do mundo - devem iniciar imediatamente uma transição justa para energias limpas e renováveis.

A XR Bangladesh e a YouthNet continuam a expandir a sua aliança activista, tendo recentemente acolhido grupos dedicados à defesa dos direitos trans e à justiça para as pessoas com deficiência. Também estão a educar as pessoas - particularmente os jovens - acerca da crise climática e como tanto a informação científica como o conhecimento indígena são importantes na ação climática.

Siga a XR Bangladesh no Twitter e no Instagram.


Mais de 1500 detidos no bloqueio de auto-estradas

27 MAIO | Haia, Holanda

Mais de 1500 rebeldes foram detidos, alguns com violência, durante um bloqueio pacífico de uma autoestrada em Haia. A acção estabeleceu um novo recorde de detenções na cidade (e provavelmente em qualquer outra cidade) e parece ter sobrecarregado completamente as autoridades holandesas.

"O nosso sistema judicial está inundado e muitos dos magistrados dizem ter esgotado a capacidade (para processar). Para além disso, é um esforço inútil", disse um rebelde que supervisiona a acção.

Milhares de pessoas em manifestação para bloquear a autoestrada A12 que atravessa Haia.

Anunciado com vários meses de antecedência, o bloqueio atraiu mais de 6000 pessoas, incluindo o apoio de 125 ONGs, 100 cientistas da Scientist Rebellion e uma orquestra de 80 músicos que tocaram a Sétima Sinfonia de Beethoven. Foram confrontados com tácticas policiais agressivas. Os canhões de água foram accionados passados apenas 15 minutos, mas os rebeldes não se deixaram dissuadir.

Enquanto a maioria dos detidos foi levada para um estádio de futebol próximo e libertada quase de imediato, cerca de 40 permaneceram sob custódia policial durante todo o dia, sem comida nem água. Foram mantidos em celas minúsculas dentro de um autocarro da polícia, onde foram interrogados de forma agressiva.

Um rebelde foi acusado de morder um agente da polícia e ficou detido durante três dias, mas não havia provas de qualquer violência e foi totalmente absolvido uma semana mais tarde.

A Orquestra A12 manteve o bloqueio civilizado, apesar da violência policial. Foto: James Petermeier.

Esta é a sétima vez que a XR bloqueia a mesma autoestrada, a A12, para exigir que o governo deixe de subsidiar a indústria dos combustíveis fósseis. Quando a polícia prendeu preventivamente alguns rebeldes nas suas casas antes de um bloqueio semelhante da A12 em janeiro, provocou um protesto nacional e uma onda de apoio de grupos da sociedade civil.

A XR Netherlands tem vindo a crescer desde então e os treinos de acção estão repletos de novos recrutas. A nossa fonte entre os rebeldes deixou claro, no entanto, que não estão apenas a lutar pelo seu próprio futuro: "Estamos a lutar pelas pessoas que estão a ser feridas de formas terríveis. No ano passado, morreram 43.000 pessoas devido à seca na Somália."

"O seu país pode ser muito diferente (no que diz respeito ao risco de ser preso), por isso só queremos encorajar toda a gente a fazer o que puder, onde quer que esteja."

Siga a campanha do Bloqueio A12 no Facebook e no Twitter.


Rebeldes australianos agitam Melbourne

25 - 27 MAIO | Melbourne/Naarm, Austrália

O governo australiano tem à sua disposição uma série de especialistas em ecologia - desde os povos indígenas que sustentam a terra há milénios até aos cientistas que passaram décadas a fazer soar pacientemente o alarme climático.

Mas ainda assim opta por não ouvir. A XR Victoria organizou uma ocupação de três dias do centro de Melbourne (cujo nome indígena é Naarm). Foi montado um acampamento nos jardins perto da Casa do Parlamento de Victoria onde se organizaram workshops, palestras, uma cozinha muito necessária, tendo sido também o ponto de partida para uma série de acções.

A Miss Beehave (em segundo plano) e as XR Sybils (as sibilas eram mulheres que, acreditava-se na Grécia Antiga, possuíam poderes proféticos) participam na Marcha Lenta.

O processo começou com uma acção rebelde combinada que envolveu a Scientist Rebellion, a Move Beyond Coal e a School Strike 4 Climate, com os activistas a levarem provas científicas ao National Australia Bank e a exigirem o fim do financiamento dos combustíveis fósseis.

O dia seguinte foi o National Sorry Day, em que os australianos recordam os maus tratos infligidos às crianças indígenas que foram "assimiladas" à força pela cultura australiana branca. de forma a mostrar respeito, os rebeldes contiveram as acções disruptivas até à noite, quando um protesto pop-up articulou a sua visão para um mundo melhor, centenas de ciclistas inundaram as ruas para um passeio de bicicleta em massa e uma festa Oz Rock Block agitou o asfalto.

Durante o passeio lento de bicicleta foi instalada uma bicicleta fantasma para homenagear os ciclistas mortos.

Uma flotilha de canoas no rio Yarra (nome indígena, Birrarung) e uma marcha muito lenta pelo centro da cidade foram os pontos altos do último dia, tendo esta última acção causado mais de duas horas e meia de perturbação. Blinky, o koala gigante queimado, Miss Beehave, a abelha gigante, os XR Sybils e a Brigada Vermelha estiveram presentes, bem como centenas de rebeldes e apoiantes.

Aos que se sentiram incomodados com os atrasos nas suas deslocações e se opuseram às tácticas de perturbação, XR Victoria respondeu o seguinte: "Pelo menos estamos a fazer alguma coisa. Se tiverem melhores formas de conseguir a mudança urgente de que necessitamos, teremos todo o gosto em ouvi-las."

Siga a XR Victoria no Facebook.


Resumo da Acção

15 MAIO | Londres, Reino Unido: 24 rebeldes protestam à porta de um tribunal depois de um juiz ter impedido os activistas do clima que estão a ser julgados por disrupção de se referirem às alterações climáticas em sua defesa. Quando uma rebelde solitária protestou contra a decisão no exterior do tribunal, o juiz ordenou a sua detenção. Em solidariedade, o grupo de rebeldes, que inclui um medalhista de ouro olímpico, um padre e um sargento da polícia reformado, repetiu o protesto. O juiz pediu que fossem processados. De entre as notícias mais bizarras dos tribunais do Reino Unido, dois bateristas rebeldes foram acusados de causar danos no valor de 28 mil libras à empresa petrolífera Schlumberger depois de terem batido nas persianas metálicas de um dos seus edifícios com... as suas baquetas de madeira. Mais tarde foram ilibados.

20 MAIO | Equador: Membros da Rebelião dos Cientistas colam documentos científicos nos escritórios da companhia petrolífera nacional PetroEcuador. Condenaram também a companhia petrolífera espanhola Repsol por ter derramado 11.900 barris ao largo da costa peruana e prestaram homenagem a um ativista indígena que lutou para proteger a selva amazónica equatoriana da PetroEcuador e que foi assassinado por pistoleiros em fevereiro.

21 MAIO | Roma, Itália: Activistas da Last Generation pintam de preto a Fonte de Trevi para exigir o fim imediato dos subsídios aos combustíveis fósseis. A acção teve lugar após as inundações no norte do país que mataram 14 pessoas e desalojaram 36.000.

22 MAIO | Pwani, Tanzânia: Os rebeldes comemoram o Dia da Biodiversidade plantando árvores de fruto com as comunidades locais e os agricultores da região costeira de Pwani.

23 MAIO | Genebra, Suíça: Activistas de uma aliança multinacional de grupos incluindo XR, Stay Grounded, Scientist Rebellion e Greenpeace infiltram-se na EBACE, a maior exposição de venda de jactos privados da Europa! Alguns activistas foram atingidos por gás pimenta e feridos pela polícia enquanto se acorrentavam aos jactos. Passadas mais de 24 horas, 102 activistas do clima foram libertados da custódia policial. A Stay Grounded já lançou uma nova campanha contra os jactos privados.

24 MAIO | Alemanha: Depois de rusgas policiais a nível nacional às casas dos coordenadores da Letzte Generation (Última Geração) e do encerramento do seu sítio Web, foram lançadas marchas de solidariedade em todo o país, com a participação de muitos milhares de pessoas.

25 MAIO | Bilbao, Espanha: Um rebelde e ativista D4C da Indonésia confronta um representante do Banco Mundial no Innovate4Climate, a conferência anual da instituição sobre financiamento climático, mercados de carbono e investimento (também conhecido como greenwashing). O ativista fez recentemente este vídeo comovente sobre o seu bairro local em Makassar, continuamente inundado.

26 MAIO | Paris, França: Uma aliança de activistas da Scientist Rebellion, Greenpeace, Attac France, XR, e muitos mais bloqueou a reunião anual de accionistas do gigante dos combustíveis fósseis Total. A polícia reagiu violentamente, primeiro bloqueando e depois batendo e disparando gás lacrimogéneo contra os manifestantes pacíficos.

25 - 27 MAIO | Gotemburgo, Suécia: Os rebeldes atacaram o porto e os políticos de Gotemburgo durante uma revolta de três dias. O porto da cidade costeira é um importante centro de importação de petróleo e de refinarias de petróleo. Os rebeldes ocuparam a receção da Câmara Municipal, interromperam as reuniões do conselho, bloquearam o próprio porto e o mar circundante utilizando caiaques. Dois rebeldes conseguiram pendurar uma faixa de 20 metros numa nova ponte gigante que liga a cidade a uma ilha.

1 JUNHO | Goma, RDC: Rebeldes mobilizaram-se no mercado de Kituku e exibiram obras de arte condenando a exploração de combustíveis fósseis na região. A empresa petrolífera anglo-francesa Perenco adquiriu recentemente 27 novos blocos petrolíferos junto ao Lago Albert e exportará o petróleo através do oleoduto EACOP. O leste da RDC foi mergulhado numa crise devido a uma série de deslizamentos de terras e a graves inundações ocorridas em Maio passado. Mais de 500 pessoas morreram e muitas outras ficaram desalojadas.

2 JUNHO | Merthyr Tydfil, País de Gales: Depois de testemunhar semanas de extração ilegal na mina de carvão de Ffos-y-Fran no Sul do País de Gales, a XR Cymru e amigos bloquearam-na e forçaram-na a fechar durante o dia. Exigiram que os proprietários realizem acções de regeneração dos terrenos, tal como prometido, e ajudem os seus trabalhadores a conseguir empregos com futuro garantido.


Reportagem Especial:

O que se segue para a XR UK?

Os rebeldes realizam uma manifestação em frente ao Parlamento do Reino Unido, em Londres, durante o The Big One.

Passou pouco mais de um mês desde que 60.000 pessoas se reuniram em Londres para o Big One da XR UK. Apesar de ter sido potencialmente a maior manifestação contra o clima na história do Reino Unido, é bem possível que não a tenha visto. A cobertura da imprensa foi praticamente inexistente e o evento não produziu qualquer mudança visível: O governo britânico continua empenhado no ecocídio, a sua legislação é cada vez mais draconiana, a sua lista de escândalos imparável.

Apesar deste silêncio - ou, de facto, por causa dele - Abril de 2023 pode ficar na história como um momento crucial para o movimento climático do Reino Unido. E um mês depois, a XR UK mostra porquê na revelação da sua grande estratégia.

As acções em larga escala do XR em Londres sempre deixaram para trás narrativas contestadas. Quer se trate do milagre do avanço de Abril de 2019, dos passos em falso de Outubro de 2019 ou dos vários esforços de renascimento pós-pandemia: analisar os altos e baixos do movimento é um passatempo apreciado por muitos dos intervenientes e não faltam observadores....

Leia o resto deste artigo em Waging Nonviolence, uma plataforma de comunicação social sem fins lucrativos que fornece informações e análises sobre movimentos sociais.


Humanos da XR:

Sima, Suécia

Sima, com a mão colada a um barco, durante um bloqueio em Gotemburgo.

Chamo-me Sima e sou uma rebelde de um grupo local de XR em Lund, no sul da Suécia. Antes de me tornar activa no movimento climático, interessava-me sobretudo por questões sociais e políticas. Isto deve-se ao meu passado como activista político no Irão, onde nasci. Após oito anos de activismo no Irão, tive de fugir de uma perseguição injusta e foi então que vim para a Suécia.

Na Suécia, tornei-me biólogo e obtive um doutoramento no departamento de medicina da Universidade de Lund. Passados alguns anos, comecei a trabalhar com a organização Médicos Sem Fronteiras, o que me deu a oportunidade de trabalhar em todo o mundo e de estabelecer contactos com todo o tipo de pessoas. São estas ligações humanas que me fazem estar determinado a agir por um mundo mais justo.

Quando vi os problemas sociais a agravarem-se devido à escalada da crise climática, decidi tornar-me um activista do clima. Para mim, é evidente que esta crise climática é causada pelo sistema capitalista. Tendo em conta as injustiças sociais que estão enraizadas no sistema desde o colonialismo, e conhecendo as pessoas contra as quais este sistema funciona, não podia aceitar simplesmente manifestar-me. Queria tomar medidas mais radicais. Foi por isso que me senti atraído pelos métodos de desobediência civil da XR.

Não me preocupo com as consequências de participar em acções de desobediência civil porque, aconteça o que acontecer, já passei por coisas piores no Irão. É claro que é terrível que cada vez mais activistas pacíficos aqui na Europa estejam a ser perseguidos. Mas é um preço muito pequeno a pagar tendo em conta o que está em jogo para a humanidade se não agirmos.

Agora que estou reformado, sinto-me também numa posição particularmente privilegiada. Tenho uma fonte de rendimento estável, os meus filhos já são crescidos e tenho muito tempo livre. Por isso, considero que é meu dever tirar partido deste privilégio e agir. Como pessoa mais velha, também vejo como minha responsabilidade para com as gerações mais jovens garantir-lhes um futuro seguro e, em muitos sítios, um presente seguro.

Trabalharei sempre para integrar as questões sociais e as questões climáticas no meu ativismo. Não conseguiremos resolver a crise climática sem trabalhar também nas questões sociais, especialmente agora que tantos direitos democráticos estão a ser retirados em tantos países.

Defendo realmente colaborações alargadas e penso que os XR deveriam envolver-se ativamente com organizações que trabalham com questões sociais. A sociedade é complexa e há tantas questões a resolver e tantas estratégias para o fazer, que nenhuma pessoa ou organização o pode fazer sozinha. Temos de nos unir e trabalhar em conjunto.

Se conheces (ou és) um Rebelde em algum lugar do mundo com uma história para contar, entra em contacto xr-newsletter@protonmail.com


Obrigado

Um avô rebelde de Londres, no Reino Unido, junta-se à rebelião mundial das Mães.

Obrigado pela leitura, rebelde. Se tiveres alguma questão ou comentário, queremos ouvir-te. Entra em contacto connosco em xr-newsletter@protonmail.com.


Para eventos, formação e oportunidades a nível mundial, visita XR Global Support Events.

Subscrever a XR Global Newsletter.

Esta newsletter é-lhe enviada pelo XR Global Support, uma rede mundial de rebeldes que ajudam o nosso movimento a crescer. Precisamos do seu contributo monetário para continuar este trabalho crucial.

Contribui Com O Que Te For Possível


Sobre a Rebellion

Extinction Rebellion é um movimento descentralizado, internacional e politicamente não-partidário que usa a ação direta não-violenta e a desobediência civil para persuadir os governos a agir de forma justa em relação à Emergência Climática e Ecológica. O nosso movimento é feito de pessoas de todos os sectores da sociedade, contribuindo de formas diferentes com o tempo e a energia que podem dedicar. Temos um ramo local muito perto de ti, e adoravamos ter notícias tuas. Participa …or considera fazer uma doação.